Esplanada e região Covid-19

Bahia tem 24 presos com teste positivo para o novo coronavírus

Ainda segundo ele, nos dois maiores presídios do estado, Mata Escura, em Salvador, e o de Feira de Santana, o que se tem feito é deslocar detentos com sintomas da doença para alas específicas

29/06/2020 11h14 Atualizada há 2 semanas
270
Por: Redação Enews Fonte: Yasmin Garrido
Bahia tem 24 presos com teste positivo para o novo coronavírus

O Estado da Bahia tem uma população carcerária de 13.472 internos e, deste total, apenas 0,2% foi detectado com a Covid-19, o que corresponde a 24 presos testados positivos para o novo coronavírus. De acordo com o promotor Edmundo Reis, do Ministério Público da Bahia (MP-BA), em entrevista ao apresentador José Eduardo, na Rádio Metrópole, as medidas adotadas pelo órgão dentro do sistema carcerário têm sido eficazes.

“O que se fez nacionalmente e aqui [na Bahia] foi replicado é um plano de contingência em que você tem locais de isolamento para aqueles que são suspeitos e para os positivados. O que o sistema tem feito, e até com bom resultado, é uma barreira sanitária na entrada das unidades, antes da entrada de qualquer preso vindo de fora, e lá dentro você tem o que a gente chama de buscativo, quando são procurados os que apresentam sintomas da Covid-19”, explicou o promotor.

Ainda segundo ele, nos dois maiores presídios do estado, Mata Escura, em Salvador, e o de Feira de Santana, o que se tem feito é deslocar detentos com sintomas da doença para alas específicas. “A administração penitenciária destinou locais específicos para o isolamento dessas pessoas”, disse.

O promotor se mostrou, ainda, ser contrário à manutenção da custódia em delegacias, sendo este um ponto que o MP-BA permanece tentando encontrar uma solução junto à Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). 

“Se já no sistema prisional, em que você tem um posto de saúde para cada unidade, que foi acrescido em 20% de funcionários em meio à pandemia, já há um atendimento crônico e constante, imagine nas delegacias. As delegacias não estão preparadas para custódias. O preso tem de ser conduzido para as unidades do sistema prisional”, defendeu.

Outra preocupação de Edmundo Reis com as custódias em delegacias é quanto à circulação de pessoas nas unidades. “As delegacia são frequentadas também pela população que vai prestar queixa, buscando os serviços policiais. Por isso se torna mais vulnerável manter pessoas custodiadas nas delegacias. É isso o que ainda estamos discutindo com a SSP-BA”, concluiu.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.