08:17
Polícia Polícia

Mulher é mantida em cárcere privado por ex-companheiro em Sussuarana

A policia foi para o local após a mãe da vítima se dirigir até a sede da 48ª CIPM, que fica a poucos metros do local

20/09/2021 20h01
227
Por: Redação Enews Fonte: Correio24horas
Imagem: Reprodução
Imagem: Reprodução

O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) iniciou, às 9h15, às negociações para rendição de um homem que mantém a ex-mulher em cárcere privado, no bairro de Sussuarana, na manhã desta segunda-feira (20). A ocorrência foi iniciada, às 8h, com a chegada de equipes da 48ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Sussuarana).

A policia foi para o local após a mãe da vítima se dirigir até a sede da 48ª CIPM, que fica a poucos metros do local, e informar sobre a agressão que a filha sofria, de um ex-companheiro. Imediatamente a casa foi isolada e os militares iniciaram a negociação. O homem, identificado como o músico John Lima, usa uma faca. Os dois filhos do ex-casal, meninos de 5 e 8 anos, estão com a avó.

 

De acordo com familiares, o músico já estava separado há cerca de 6 meses da mulher, Flávia Souza Santos, de 30 anos. "Ele é um covarde, porque homem que bate em mulher é covarde. Ele já furou ela. Neste dia  ela foi socorrida pelo padrinho ao HGE. E eles não estavam juntos", diz o pai de Flávia, Gerson Pereira Santos, 64

Por volta das 7h, Flávia ligou para a mãe, Maria Hilda de Souza, 65 anos, pedindo socorro. Maria Hilda, que mora perto, foi até a casa. Ao chegar lá, já encontrou John mantendo Flávia como refém. Ele dizia que só sairia dali se recebesse R$ 8 mil - ele enviou de SP R$ 10 mil para a ex, que comprou móveis e eletrodomésticos para a casa.

"Eles vivem brigando. Ele era muito ciumento. Ele também me ameaçava. Sempre exigia dinheiro e eu dava para ver a minha filha livre dele. Cheguei a comprar uma moto e antes mesmo de resolver a documentação, ele vendeu. Eu não sei a quem ele deve tanto assim. Pra ver a minha filha numa situação melhor, cheguei a pegar dinheiro com agiota pra dar pra ele", diz Maria Hilda.

(Foto: Reprodução) 

Familiares contam que eles mantiveram uma relação de quase 10 anos, com várias idas e vindas, porque John era agressivo - a mãe de Flávia diz que ela chegou a registrar queixa contra ele na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam). Há seis meses, o término definitivo aconteceu. John viajou para São Paulo para fazer shows. Flávia continuou em Salvador com os filhos.

Aos parentes, John diz que chegou de madrugada e quis ir embora 1h, mas Flávia não deixou. Depois disso, ele  descobriu no celular de Flávia conversas que ela teria com outros homem. Ele ligou para a pessoa das mensagens, que confirmou a relação com Flávia. A partir daí, ele começou a exigir o dinheiro de volta. Depois disso, passaram a noite brigando, inclusive com agressões físicas. Pela manhã, ele a impediu de sair de casa.

"Eles brigavam constantemente. Eu mesmo já separei as brigas e uma delas já levei um murro dele. Ele me considera mais que os irmãos dele de sangue e foi por isso que, durante a negociação, ele pediu para eu descer, para falar com ele, mas a polícia não deixou", contou Hermes Agostinho, marido do prima de Flávia e irmão de consideração do cantor

De dentro da casa, John mantém contato com parentes através de mensagens de celular. Ele pede água e também solicitou a presença de um advogado. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.