Quarta, 08 de Dezembro de 2021
31°

Pancada de chuva

Esplanada - BA

Bahia Salvador

Aluna de colégio particular é alvo de mensagens preconceituosas em grupo com colegas na BA: 'parte boa da favela é a droga'

Adolescente é associada a atividades criminosas por colegas do Colégio Cândido Portinari. Escola diz ter mantido contato com envolvidos sobre "conduta inaceitável" e diz que tomará medidas.

18/11/2021 às 20h27
Por: Redação Esplanada News Fonte: G1-BA
Compartilhe:
Imagem: Reprodução
Imagem: Reprodução

Uma aluna do Colégio particular Cândido Portinari, em Salvador, foi vítima de mensagens preconceituosas em um grupo estudantes no Whatsapp. A adolescente, que cursa o 8º ano EF e é filha de um funcionário da escola, foi associada a atividades criminosas por morar em uma região periférica de Salvador.

As mensagens de cunho preconceituoso e racista foram enviadas no último final de semana, mas só vieram à tona nesta quinta-feira (18), quando uma das mães dos colegas da vítima, que não quis se identificar, tomou conhecimento da situação. Impressionada com as agressões verbais, ela divulgou as informações à imprensa.

“Eu fiquei estarrecida pelo teor das mensagens e pela naturalidade com que o tema foi tratado”, afirmou. Em uma das mensagens, um dos colegas da vítima diz: “Bala para você só de fuzil”.

A vítima tentou se defender das agressões e se posicionou demonstrando orgulho do local onde mora: “Nascida e criada na favela anjo, prazer. Porém, pode ficar de boa, porque não sou envolvida com tráfico não. Nem eu e nem a minha família”. Ela ainda explicou que a favela tem muitos lados positivos, mas que os colegas não estavam preparados para conversar sobre isso. 

Aluna do Colégio Cândido Portinari, em Salvador, é alvo de preconceito — Foto: Acervo Pessoal 

Como resposta, a vítima recebeu a seguinte mensagem: “o lado bom da favela é conseguir tudo de graça”. Além disso, um colega mandou áudios em que ria enquanto proferia falas preconceituosas, como “a única parte boa da favela são as drogas” [sic] e “Beethoven para você deve ser som de bala perdida”.

Após o ocorrido, a vítima saiu do grupo de Whatsapp, que têm cerca de 20 alunos da turma.

No Instagram do Colégio, alunos e ex-alunos falaram sobre o caso e cobraram um posicionamento. “Assim como todos os alunos e ex-alunos da instituição, estou no aguardo da devida punição que esses estudantes merecem. Espero que vocês voltem a ser o colégio humanizado que um dia tive tanto orgulho de dizer que estudei”, escreveu uma ex-aluna.

Em nota, o colégio Cândido Portinari disse que manteve “contato com as famílias envolvidas para oferecer orientação a respeito da conduta inaceitável”. A escola ainda afirmou que o tema será trabalhado internamente e que medidas disciplinares serão aplicadas aos alunos que tiverem ações discriminatórias.

Para a mãe que fez a denúncia, o caso serve de exemplo de como o preconceito e o racismo precisam ser melhor trabalhados nas escolas particulares de Salvador. "Espero que sirva de estímulo para outros pais também denunciem, porque esse assunto precisa ser debatido com a devida relevância. Simplesmente não pude deixar passar”, afirmou. 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Esplanada - BA Atualizado às 10h14 - Fonte: ClimaTempo
31°
Pancada de chuva

Mín. 24° Máx. 33°

Qui 32°C 23°C
Sex 31°C 23°C
Sáb 32°C 24°C
Dom 32°C 24°C
Seg 31°C 21°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete